Mercado Imobiliário aposta na economia colaborativa em novos empreendimentos

Residenciais estão se adaptando ao modelo e passam a oferecer mais espaços de compartilhamento para os moradores, além dos tradicionais academia e salão de festas

Consumo colaborativo, economia compartilhada ou colaborativa, são os termos que usamos no Brasil para traduzir o sharing concept e consiste na ideia de poder aproveitar o benefício de algum produto ou serviço sem ter que necessariamente adquiri-lo. Pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), feita em 2019, aponta que 89% dos brasileiros que já experimentaram alguma modalidade de consumo colaborativo aprovaram o modelo.

Para 81% das pessoas, o compartilhamento torna a vida mais fácil e funcional, e 71% acham que possuir muitas coisas em casa mais atrapalha do que ajuda. O estudo foi realizado em todas as capitais e ouviu 837 consumidores acima dos 18 anos. Alguns exemplos de economia colaborativa são aplicativos de transporte privado urbano, de carros compartilhados, roupas compartilhadas, aluguel de apartamento, espaços comuns dentro de condomínios, a exemplo de academia, brinquedoteca, entre outros. O conceito já chegou ao mercado imobiliário em Goiânia, que passa a implementar mais opções nos residenciais.

Atenta às novas tendências, a GPE Inc trouxe o consumo colaborativo para o seu primeiro lançamento na capital goiana, o 15W22, que será erguido no Setor Oeste. Além dos espaços de lazer tradicionais, a área comum do empreendimento terá, para o uso compartilhado dos moradores, coworking, pet care (para banho e tosa), bicicletário, mini oficina, lavanderia assinada pela marca de sabão em pó Omo e uma escada warm up, com marcação nos degraus e paredes para que os usuários saibam a seu rendimento durante a prática dos exercícios com mais precisão.

“O sharing concept é o conceito da nova economia do compartilhamento. Antes de lançar o produto fizemos uma pesquisa de mercado que nos apontou o que as pessoas buscam. Por exemplo, o que é mais comum hoje? ‘Ter alguém na família que trabalhe dentro de casa’. Então, nossos apartamentos têm estação de trabalho e, ainda assim, para reuniões e momentos de maior concentração, colocamos um coworking”, destaca o diretor de novos negócios da GPE Inc, Gustavo Nunes.

Na pesquisa realizada pela CNDL, 52% das pessoas demonstraram interesse em áreas fitness, 42% em coworking e 36% em bicicletário. “A bicicleta foi um ponto que a pandemia acentuou. Temos também o pet care, vamos entregar o ambiente onde o prestador de serviço irá até o prédio para fornecer o seu trabalho no local. Outro conceito bacana é o da mini oficina compartilhada que terá todo o kit de ferramentas que o morador precisa e não fará barulho e nem sujeira em casa, além de economizar o espaço de guardar uma caixa de ferramentas”, exemplifica Gustavo Nunes.

O empreendimento


O 15W22 recebe o nome de sua localização, pois será erguido na esquina das ruas 15 e 22 no Setor Oeste, a poucos metros da Praça do Sol. Ele terá apartamentos com metragens que variam entre 59 m² e 135 m², com plantas flexíveis e inteligentes, além de seis duplex e seis penthouse. A área de lazer conta com opções diversificadas como piscina com deck molhado, churrasqueira, espaço gourmet, salão de festas, sala de jogos e espaço kids. Haverá ainda uma academia com a assinatura da Flex, conceituada rede de academia de Goiânia.

O empreendimento será entregue ainda com itens de segurança completos, como câmeras nas áreas comuns, pulmão de segurança, acesso biométrico nos ambientes adultos como academia, salão de festas e jogos. A tecnologia também se destaca, pois todos os apartamentos terão previsão de automação e contarão com fechaduras eletrônicas. Além disso, haverá wifi no mezanino e nas áreas de lazer. A sustentabilidade foi pensada com a disponibilização de vaga verde e economia de energia, com lâmpadas LED e sensores de presença.