OMS registra ataques a hospitais na Ucrânia

Entidade pede que a Rússia assegure a ajuda humanitária Share on WhatsApp Share on Facebook Share on Twitter Share on Linkedin

[media-credit name=”Reuters” align=”alignnone” width=”610″][/media-credit]

O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, informou, nesta quarta-feira (9), que foram registrados ataques contra o sistema de saúde na Ucrânia, em meio à guerra com a Rússia, que resultaram na morte de dez pessoas e 16 feridos. Ao todo, a entidade reportou 18 ataques.

“A OMS verificou 18 ataques contra trabalhadores da saúde, ambulâncias e centros de saúde, incluindo 10 mortes e 16 feridos”, informou o dirigente, durante coletiva de imprensa. Esses ataques atingem toda a comunidade global da saúde. Mais de 2 milhões de pessoas deixaram a Ucrânia e a OMS está dando suporte aos países vizinhos para garantir atendimento médico aos refugiados”, acrescentou.

Adhanom disse que a OMS tem enviado suprimentos médicos para garantir assistência à saúde dos ucranianos, com a entrega de 81 toneladas de materiais. Outros 400 metros cúbicos de suprimentos de saúde estão no centro de distribuição logística de Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, e também serão encaminhados para a Ucrânia. O diretor-geral da OMS também pediu que a Rússia permita acesso para ajuda humanitária no país vizinho.

“A única solução real para essa situação é paz. A OMS continua pedindo à Federação Russa que encontre solução pacífica para essa crise e permita acesso seguro e desimpedido para ajuda humanitária para aqueles que precisam”, enfatizou.

O colapso do sistema de saúde na Ucrânia, por causa da guerra, também afeta o combate à pandemia da covid-19. Durante a coletiva, a OMS informou que, apenas na última semana, 731 pessoas morreram em decorrência da infecção.

Pandemia

Sobre a persistência da pandemia, Tedros Adhanom voltou a dizer que ela está longe do fim. “A pandemia está longe de acabar. E ela não vai acabar em nenhum lugar até que ela acabe em todos os lugares”, alertou.

Em janeiro, após o aumento exponencial de contaminações impulsionado pela variante Ômicron, o dirigente da OMS já havia dito o mesmo. Ele também lembrou que, na próxima sexta-feira (11), completará exatamente dois anos em que a epidemia da covid-19 foi descrita como uma pandemia global.