Quadrilha que roubava cargas de defensivos agrícolas é condenada

Os suspeitos vão responder pelos crimes de organização criminosa, receptação, crime contra as relações de consumo, crime ambiental

O Poder Judiciário condenou sete investigados da Operação Piratas, contra um esquema criminoso, organizado por membros de uma mesma família (pai, mãe, filho e enteados), pelos crimes de organização criminosa, receptação, crime contra as relações de consumo, crime ambiental, em Goiás.

“A investigação policial apurou que as empresas vítimas tiveram prejuízos da ordem de R$ 1 milhão e meio em defensivos agrícolas roubados, além dos danos decorrentes de valores pagos pelas vítimas pelo transporte de mercadoria, no importe de R$ 400 mil”, afirma a polícia.

A Operação Piratas do Campo foi deflagrada no ano de 2021 pela Delegacia Estadual de Repressão a Furtos e Roubos de Cargas (Decar).

“Eles contratavam pessoas para roubar cargas de defensivos agrícolas de grandes fazendas e de caminhões que transportavam os produtos. Os caminhões eram levados para galpões em Goiás e Mato Grosso onde, com sofisticada aparelhagem da indústria química, os defensivos eram adulterados para aumentar a litragem original em cem vezes”, afirma a Decar.

Assim, conforme a corporação, o produto era falsificado e revendido com marca falsa de grandes indústrias. Várias lavouras de soja e milho foram destruídas por conta do produto falsificado e prejudicial ao meio ambiente.

Ao longo das três fases da operação, vários bens apreendidos, serão leiloados e o valor deverá ser transferidos para conta do Fundo Especial de Apoio ao Combate à Lavagem de Capitais e às Organizações Criminosas (FESACOC).

“Outros veículos também apreendidos ficarão à disposição da PCGO, sendo disponibilizados para uso da Decar e da Delegacia Estadual de Repressão a Furtos e Roubos de Veículos Automotores (DERFRVA) e também do Corpo de Bombeiros”, afirma a Decar.