Suspeito de se passar por conselheiro tutelar e médico é preso por crime sexual

De acordo com a polícia, o homem que já possui passagens por crime de furto, ficará à disposição do Poder Judiciário

A Polícia Civil de Goiás, por meio da Delegacia Especializada de Atendimento a Mulher (DEAM) de Itumbiara, prendeu preventivamente na manhã de sexta-feira (05) Matthews Faria Oliveira, de 30 anos, suspeito de de violação sexual mediante fraude.

Conforme a polícia, o suspeito, que é servidor da Câmara Municipal de Itumbiara, se passou, inicialmente, por uma conselheira tutelar nas redes sociais, conseguindo, com isso, atrair a atenção da vítima que necessitava de serviços sociais e buscava informações na internet.

“Após uma longa troca de mensagens com a vítima por aplicativo de mensagem, simulando, inclusive, uma entrevista social, o investigado ganhou a sua confiança e passou a fazer perguntas de cunho sexual para ela”, afirma a DEAM.

Segundo a corporação, com o avanço do diálogo e já conhecendo a rotina da vítima, Matthews (ainda se passando pela conselheira), disse que seria necessária a realização de uma visita de um “oficial” daquele órgão na residência dela, sendo que, por isso, mudou o personagem para um conselheiro tutelar, trocando, com isso, o contato telefônico e o perfil.

No dia da visita, aproveitando que a vítima estava sozinha, o investigado foi até o imóvel e, notando que ela estava com problemas de saúde, também se declarou médico, passando a examinar a vítima. Na ocasião, ele retirou a roupa dela e tocou as suas partes íntimas.

“Não satisfeito, ele ainda ministrou remédios para a vítima, aplicando, naquele dia, uma injeção com uma substância não identificada por ela, com o pretexto de que trataria das dores que a mulher estava sentindo”, afirma a DEAM.

De acordo com a corporação, o homem que já possui passagens por crime de furto, ficará à disposição do Poder Judiciário. Há despacho para divulgação do nome e da imagem do investigado, obedecendo a legislação, pois a PCGO busca a identificação de outras possíveis vítimas.