Alimentos caseiros podem causar problemas intestinais em cães e gatos

Gastrite, colite e enterite são algumas das doenças gastrointestinais frequentes nos animais de quatro patas, que possuem a flora intestinal mais restrita

Proteínas, vitaminas, fibras e carboidratos fazem parte de uma alimentação balanceada que mantém a saúde e bem-estar do corpo humano, que sinaliza quando há algo de errado. Mas, e quanto aos animais, quais sinais eles transmitem quando algo não vai bem?

A perda de apetite é um dos sinais de alerta transmitidos por cães e gatos, que podem estar sofrendo com doenças gastrointestinais. Além desse, outros sintomas como vômitos, perda de peso, letargia (sono excessivo, pouca energia), fezes amolecidas ou diarreicas e dores abdominais também são importantes de serem observados, esclarece o veterinário Hebert Justo. Ele pontua ainda que tais doenças como gastrite, colite e enterite assim como as verminoses, acontecem com mais frequência do que os donos imaginam: “O pet por exemplo é muito atraído pelo cheiro, sendo assim encosta o focinho em fezes contaminadas e após, ingere. É muito comum, independentemente da idade do animal”, ressalta Hebert, que também é sócio diretor da Mais Pet.

Segundo o veterinário, cães e gatos têm microbiota digestiva mais restrita que a dos humanos, que se adaptam a um tipo de alimento, e por isso não devem ter diversidade alimentar. Ele traz ainda um alerta para alimentos considerados tóxicos, como frutas cítricas, uvas, derivados de leite e farinha branca: “A uva a longo prazo pode desenvolver alteração renal, o leite diarreia e a farinha branca pode causar obesidade e, em casos extremos, diabetes”, informa.

Confira algumas dicas e mitos e verdades sobre a alimentação dos animais de quatro patas compartilhadas pelo veterinário Hebert Justo, que está à disposição para entrevistas e mais esclarecimentos sobre o assunto.

Os riscos da alimentação caseira

Todo alimento sem balanceamento pode gerar alterações no pet e, se tratando da alimentação caseira, ela tem os riscos de sobrecarregar o animal desenvolvendo de imediato a obesidade e após, outras doenças sistêmicas.

Osso faz bem, mito ou verdade?

Osso é um grande auxiliador para limpeza dos dentes, muito rico em cálcio e pode auxiliar na diminuição do estresse, mas deve ser usado com cautela. É muito comum atendermos cães que precisam operar o intestino ou estômago por complicações decorrentes a corpo estranho, não digestão do osso, ou por engolir osso muito grande, que obstrui o sistema digestivo. Então, devemos ter muita atenção nessa hora e preservar a saúde deles.