Com alta na procura e crise financeira, psicólogos e terapeutas oferecem atendimento por meio de permuta

Crise na economia provocada pela pandemia, e intensificada nos últimos meses pela alta da inflação, contribuiu para que a troca de serviços seja opção mais viável para que pacientes tenham acesso a acompanhamento profissional necessário

O distanciamento da família, dos amigos, a necessidade de ficar dentro de casa, o medo de pegar a Covid-19, o consumo intenso de notícias ruins. Os últimos dois anos, em grande parte, atingiram em cheio a saúde mental de muitos brasileiros, que passaram a desenvolver ansiedade e depressão. Somente em 2020, primeiro ano da pandemia, houve aumento de 25% dessas doenças, segundo resumo científico divulgado pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

A proibição de festas, de ir ao trabalho, de rever amigos e ter a chance de conversar pessoalmente, ou seja, a restrição à vida social proporcionou um elevado nível de estresse na população. “De forma geral, as pessoas carregam traumas e problemas ocorridos há muitos anos e que vêm se repetindo a cada ano de sua vida, mudando apenas de contexto. E na pandemia, estes padrões emocionais negativos vindos desses traumas se acentuaram e as pessoas estão bem mais sensíveis a qualquer ocorrência negativa em suas vidas”, explicou o terapeuta Rodrigo Belmonte, que é analista corporal, psicanalista junguiano, psicodramatista e promove palestras sobre o assunto.

Mas a crise econômica atingiu em cheio o bolso das pessoas, até das que já vinham com diagnóstico de depressão. Algumas tiveram que abandonar o acompanhamento psicológico por falta de dinheiro. “Apesar de ter havido, sim, o aumento de casos de depressão, síndrome do pânico e ansiedade, a parte financeira acabou fazendo com que muita gente deixasse de priorizar a terapia por conta da pandemia”, conta Rodrigo.

Pensando nos pacientes que abandonaram o tratamento ou mesmo naqueles que gostariam de continuar, mas foram obrigados a parar por causa do isolamento social, Rodrigo viu na consulta on-line a possibilidade de ajudar. “Hoje não estou fazendo atendimentos presenciais. Atendo apenas à distância pessoas de qualquer lugar do Brasil e tenho clientes que moram em outros países também”, explica Belmonte, que passou a usar a permuta multilateral pela plataforma XporY.com para facilitar o acesso a seus serviços. “Tomei conhecimento da XporY.com através de um cliente meu, que se tornou meu parceiro de negócios”.

Aumento na procura

A psicóloga Márcia Gaioso diz que percebeu aumento na demanda. “Houve, sim, mais procura por pessoas que tinham diagnóstico de depressão, ansiedade, síndrome do pânico, mas que estavam estabilizadas há anos e sem medicação. Elas começaram a apresentar novamente sintomas e precisaram ter acompanhamento psicológico e psiquiátrico. Também aconteceu de várias pessoas que nunca haviam apresentado algum sintoma, que apresentaram pela primeira vez, principalmente após maio de 2020”, explicou a profissional.

“Entre as maiores queixas estão o medo, sentimento de impotência, sentimento de não ter saída e não enxergar a solução, isso em relação a questões emocionais. Fisicamente elas sentem aperto no peito, falta de ar, taquicardia, tontura, alterações de sono, como excesso ou falta de sono”, detalha Márcia.

A profissional, que atende adultos e adolescentes a partir de 14 anos, de forma individual ou família, está na plataforma desde 2017. “A oportunidade de disponibilizar sessão de terapia via plataforma surgiu a partir de uma indicação de uma amiga empresária do ramo de roupas, que já está na XporY.com. Atendo pessoas de todo o País, via on-line”, explica a psicóloga, que lembra que o atendimento virtual é autorizado pelo Conselho Federal de Psicologia e vem sendo bastante requisitado.

A empresária Staycy Martins Ribeiro, que permuta produtos importados pela plataforma há pouco mais de 5 meses, usou seus X$ (moeda virtual exclusiva para uso na XporY.com) para adquirir os serviços de Márcia. “Achei muito bacana poder contar com uma coisa pela qual eu precisava fazer com frequência. E poder pagar usando permuta para mim era melhor ainda”, conta ela, que avaliou a experiência como positiva. “Para mim é algo muito prático e econômico, porque eu posso usar um serviço ou adquirir um produto importante para meu dia a dia por meio da troca, assim deixo de gastar em reais. Eu já indiquei para várias pessoas e continuo indicando”, celebra.

Como funciona

A XporY.com proporciona a empresas e profissionais liberais ofertarem seus produtos e serviços por meio de trocas. Segundo o sócio-fundador da empresa e especialista em economia colaborativa, Rafael Barbosa, o permutante anuncia ofertas na plataforma e, a cada venda, recebe pagamento do valor do produto em moeda digital, chamada X$, que tem valor equivalente ao Real (cada R$ 1,00 equivale a X$ 1,00). Com o crédito, ele fica livre para adquirir qualquer produto ou serviço ofertado por membros cadastrados de qualquer segmento e localidade. Atualmente, vários psicólogos, psiquiatras e terapeutas por todo o País fecham sessões por meio de permutas na plataforma.

A plataforma de permutas multilaterais está em atividade desde 2014, conta com mais de 12 mil membros cadastrados, e é parceira oficial do Sebrae de São Paulo e de Goiás para incentivar a adoção de permutas multilaterais para os micro e pequenos empreendedores.  Para participar da plataforma, o interessado deve acessar e se cadastrar gratuitamente pelo aplicativo da XporY.com, disponível para iOS ou Android, ou pelo site www.xpory.com. Além da ausência do custo de adesão, os membros da plataforma também não pagam valor mensal de manutenção e nem comissão sobre as vendas no site. Somente na hora de consumir, é que se paga apenas uma taxa de 10% em reais sobre o valor da compra.