Demanda habitacional da região Noroeste de Goiânia atrai novos residenciais

Crescimento populacional vem despertando empreendedores para a necessidade de melhorar a oferta de residenciais para a região Noroeste. No dia 7 de maio, região ganha lançamento de condomínio-clube enquadrado no Casa Verde Amarela

O aluguel é o principal vilão do déficit habitacional em Goiânia, aponta o estudo mais recente do Instituto Mauro Borges sobre o tema, realizado em 2020 com dados do Cadastro Único (CadÚnico), do governo federal.  Enquanto no estado, 76% dos moradores que não tem casa própria pagam aluguel, na capital esse índice cresce para 95,84%. Embora o déficit habitacional geral entre 2019 e 2020 tenha caído em 0,1%, na capital o número de famílias que precisam de aluguel teve um aumento de  975.

Em 2020, 401.650 pessoas estavam em situação de déficit no Estado, e 24.344 em Goiânia. A região Noroeste vive essa realidade por ser uma das mais populosas da capital. De acordo com o Anuário Estatístico de Goiânia 2010, o último divulgado, a região possuía na época 164.283 moradores distribuídos em 67 bairros. Ela tem mais habitantes que a maioria dos municípios goianos, só perde em população para 6 cidades do interior.

 

Condomínio-clube

Esse contexto foi um chamariz para o mais novo lançamento da IN Inteligência Construtiva, que escolheu a região Noroeste para seu primeiro empreendimento. Em uma área de quase 10 mil metros quadrados (m²), no setor Estrela Dalva, será lançado em 7 de maio o Life In Residence com 160 apartamentos de 2 quartos a partir de 43 m² em cinco torres.

“Enquadrado dentro do faixa dois do programa Casa Verde Amarela, os compradores poderão receber subsídio do governo federal para a aquisição e ter acesso a taxas de juros menores”, anuncia  Rodrigo Lima, um dos sócios da construtora, ao destacar que os juros não foram atualizados com a alta da taxa Selic. “Trata-se de uma oportunidade para as famílias da região deixarem o aluguel e terem a tranquilidade e a segurança de contarem com a casa própria”, salienta.

Rodrigo destaca que a preocupação do projeto foi contemplar as famílias em suas necessidades também de lazer. O grande destaque do residencial é a área de lazer completa, com quadra poliesportiva, playground com piso emborrachado, piscina com 15 metros de raia e deck molhado, espaço gourmet com dois pontos com churrasqueira a carvão, academia, pet place e salão de festas.

Pensando em maior segurança para os moradores e visitantes, o residencial trabalhará com uma guarita com pulmão de segurança, algo como uma sala privativa antes de adentrar ao condomínio.  Nesse local, a finalização do processo de liberação de entrada será realizada. Além disso, as unidades serão estruturadas em concreto armado, para promover um conforto térmico, sempre com uma temperatura mais amena.

Cada torre é dividida em duas, totalizando 10 blocos, apenas 4 unidades por andar em cada uma, deixando o ambiente mais privativo. Outro diferencial oferecido pelo Life In Residence, é que algumas unidades contarão com um jardim privativo no térreo da torre e outras unidades terão disponíveis vagas duplas de garagem para os moradores.

“O nosso propósito é levar um residencial diferenciado para região Noroeste, contribuindo para desenvolver uma nova realidade urbana para os moradores”, comenta Rodrigo.

 

Integração futura

Para o presidente do Sindicato das Imobiliárias e Condomínios do Estado de Goiás (Secovi-GO), Antônio Carlos da Costa, lembra que há ainda o contingente  de famílias que vivem em imóveis cedidos, parentes dividindo a mesma casa, lote ou vivendo em ocupações irregulares, que também precisam ser atendidas, e a chegada de novos condomínios e loteamentos planejados acrescenta em qualidade de vida e dignidade social para a população da região Noroeste.

“Empreendimentos idealizados com planejamento são muito positivos para a região porque trazem organização e soluções para os moradores. Isso inclui a previsão da instalação de serviços para a população, o que gera também empregos”, considerou.

A região, que nasceu no final dos anos 1970 e tem um histórico de ocupação popular, atualmente tem um comércio pujante para atender sua própria demanda, e deve se desenvolver ainda mais com a perspectiva de receber, no futuro, grande desenvolvimento econômico com a continuidade da Avenida Goiás Norte até a chegada em Goianira. O projeto, segundo o presidente do Secovi-GO, encontra-se em discussão com o poder público e, se concretizado, será uma alternativa de deslocamento das populações de Goianira, Trindade e da própria região Noroeste para acessar a capital.

“Hoje, esse acesso se dá pela GO 070 e pela Avenida Perimetral, que ficam estranguladas em horário de pico”, diz Antônio Carlos da Costa, ao informar que são quase 400 mil pessoas que vivem nessa parte da região metropolitana. Com a integração, além de atender às questões de mobilidade, o presidente do Secovi estima que haverá grande desenvolvimento econômico da região Noroeste às margens dessa nova via, o que trará empregos para a população. “Esse será um grande benefício para os moradores e irá contribuir para diminuir o movimento pendular na cidade”, finalizou.