Depois de três júris adiados, acusados de matar o radialista Valério Luiz devem ser julgados

O Júri popular adiado por  três vezes vai julgar os cinco acusados do assassinato do radialista Valério Luiz, deve acontecer nesta segunda-feira, 13, em Goiânia.

O caso que aconteceu em julho de 2012,Valério Luiz foi morto a tiros, aos 49 anos, quando saía da rádio em que trabalhava.

Conforme o Ministério Público, o assassinato foi motivado pelas críticas constantes do radialista à diretoria do Atlético Goianiense, da qual Maurício Sampaio, um dos réus, era vice-diretor. Atualmente, ele é vice-presidente do Conselho de Administração.

De acordo com o juiz Lourival Machado, o julgamento deve contar com 30 testemunhas e pode durar três dias.

O julgamento foi adiado pela primeira vez em junho de 2020, quando foi marcado pelo juiz Lourival Machado, mas desmarcado por causa da pandemia do coronavírus. Depois, não aconteceu porque o advogado de Maurício Sampaio deixou a defesa em cima da hora. O terceiro adiamento aconteceu em 2 de maio deste ano após os advogados de Maurício Sampaio abandonaram o plenário alegando que o juiz Lourival Machado não era imparcial para presidir a sessão. Os cinco

acusados do crime são:

  1. Maurício Sampaio, apontado como mandante;
  2. Urbano de Carvalho Malta, acusado de contratar o policial militar Ademá Figueiredo para cometer o homicídio contra o radialista;
  3. Ademá Figueiredo Aguiar Filho, apontado como autor dos disparos que mataram Valério;
  4. Marcus Vinícius Pereira Xavier, que teria ajudado os demais a planejar o homicídio do radialista;
  5. Djalma Gomes da Silva, que teria ajudado no planejamento do assassinato e também atrapalhado as investigações.

Com informações do G1