Em alternativa à crise econômica, pais buscam permutas para matricular filhos em Goiás

Aumento no valor de matrículas e mensalidades fazem instituições de ensino buscarem opções de negócios alternativos, como as permutas, para aumentar números de alunos

Após muitas instituições de ensino evitarem o reajuste nos valores das mensalidades escolares em 2021, as atualizações nos preços das despesas escolares podem resultar em uma alta de mais de 12% neste ano. Os dados da consultoria Meira Fernandes, empresa especializada em gestão de instituições de ensino, destacam também que a maioria das escolas pretende fazer um reajuste de pelo menos 7%. As mudanças nos valores devem acompanhar o crescimento da inflação no País que vem se acumulando ao longo dos últimos 12 meses e passando de 10% em algumas localidades.

 

Para fugir desses aumentos e conseguir economizar dinheiro, alguns pais têm buscado as permutas multilaterais como alternativa para matricular seus filhos. Desde 2017, a empresária Júlia Pitelkow participa de uma plataforma, a XporY.com, e garante a matrícula de seus três filhos por meio desse sistema. “Com as permutas, eu pago a conta que mais pesa no orçamento da minha família: a matrícula e todas as mensalidades escolares”, conta Júlia. “Os gastos com a escola giram em torno de X$ 60 mil anual [equivalente a R$ 60 mil], valor que eu pago com a moeda virtual e, assim, economizo”, completa a empresária que atua na comercialização de roupas infantis.

 

Os benefícios também se estendem para as instituições de ensino. O Centro Educacional Essência da Vida, com unidades em Goiânia e Aparecida de Goiânia, por exemplo, resolveu adotar as permutas em 2021 e, neste ano, contará com um aluno que pagará as mensalidades em X$ [moeda digital da plataforma]. Segundo a proprietária da instituição de ensino, Eula Wamir Macedo Vilela Gomes, os créditos em permutas já terão destino definido. “O valor será usado para a aquisição de brinquedos ou de painéis de divulgação pela cidade. O objetivo é melhorar ainda mais a infraestrutura e a divulgação sem gastar tanto em dinheiro”, destaca a pedagoga responsável pelo estabelecimento, que recebe cerca de 200 crianças do berçário ao 9º ano do ensino fundamental.

Ela ainda destaca que as permutas multilaterais permitem fazer negócios e encontrar novas redes de negócios, além de economizar. “É uma solução interessante porque permite fazer investimentos com o menor custo possível. Além disso, conseguimos ampliar essa rede de negociações, encontrando novos clientes e fornecedores”, detalha Eula, que está à frente da instituição que atua há 16 anos.

Permutas multilaterais

Por meio das permutas multilaterais, uma empresa ou profissional liberal pode cadastrar seus produtos ou serviços para outros membros da plataforma. Após fechar uma negociação, o permutante recebe créditos (moedas digitais) que poderão ser usados para adquirir qualquer outra oferta disponível na plataforma da XporY.com, que hoje já conta com mais de 10 mil empresas e profissionais liberais de diversos segmentos cadastrados em todo o país.

De acordo com o especialista em economia colaborativa, Rafael Barbosa, as permutas ganham ainda mais força em cenários de crise econômica que fazem com que produtos fiquem parados em estoques ou com serviços ociosos. “Nesse formato, uma empresa que não está conseguindo vender seus produtos pode encontrar alguém que queira comprar, mas está sem dinheiro no momento. Com isso, conseguimos fazer com que todos saiam beneficiados sem envolver dinheiro no processo”, destaca Rafael, que também é sócio-proprietário da XporY.com, considerada a maior plataforma de permuta multilateral do País e a única parceira do Sebrae neste segmento.

“Na plataforma de permutas, o usuário só precisa fazer um cadastro gratuito e oferecer algum item para a troca. Apenas quando concluir uma transação de aquisição, o permutante paga uma taxa administrativa de 10% do valor em reais”, completa Rafael Barbosa. Para mais informações, acesse: www.xpory.com.