Fios de PDO devolvem viço e estimulam a produção de colágeno no rosto

Já usados em cirurgias, os fios bioabsorvíveis são seguros, eficazes e causam efeito lifting, seja no reposicionamento dos tecidos do rosto ou na estimulação da produção de colágeno

Utilizados há mais de 30 anos em cirurgia plástica, cardíaca, ginecológica e urológica, os fios de polidioxanona (PDO) ganharam espaço também no mercado de estética, se mostrando seguros e eficazes para tratamentos de rejuvenescimento, tanto pelo efeito de sustentação (lifting), como por melhorar a textura e elasticidade da pele porque induz a produção de colágeno.

“Foi percebido que quando o organismo recruta células para decompor e degradar o fio, temos uma consequência muito boa que é a produção de colágeno. E esse é o grande benefício desse tipo de fio: proporcionar uma pele hidratada, rica em colágeno, rica em elastina e em fibroblastos, o que resulta em rejuvenescimento, vitalidade e luminosidade da pele. Rugas, sinais de expressão, sulcos leves e flacidez são alguns dos problemas que os fios de PDO ajudam a melhorar”, afirma a cirurgiã dentista Talita Dantas, que atua com harmonização orofacial há seis anos.

[/media-credit] Talita Dantas Cirurgiã dentista
Foto: Divulgação

Existem dois tipos de fios: de tração (espiculados) e lisos. Os fios de tração agem em duas etapas: primeiro causam efeito de tração no tecido possibilitando o lifting mecânico facial e, depois, trazem os benefícios da produção de colágeno com o lifting duradouro. E os fios lisos apesar de não terem poder de reposicionamento de tecido, vão então produzir colágeno no local que eles estiverem colocados. A degradação do fio depende das características de cada paciente e ocorre entre seis a oito meses e o efeito lifting dura em torno de 18 a 24 meses.

“Todo o procedimento é feito sob anestesia para que o paciente tenha mais conforto. Os fios lisos têm uma aplicação mais tranquila porque são mais finos. Já os fios de tração possuem ‘garras’ para aderir em uma camada mais profunda da pele e, por isso, precisam de maior resistência para sustentar o tecido. Também é importante levar em conta as indicações para cada paciente e agregar outros procedimentos com um planejamento de tratamento a longo prazo porque é isso que vai trazer um resultado mais satisfatório”, afirma Talita.

Quanto tempo dura a sessão e como é a recuperação?

O tempo de duração da sessão varia de acordo com a associação com outros procedimentos. É possível combinar fios de tração com lisos, ou preenchedores ou com microagulhamento, mas em média as sessões variam entre 1h30 a 2h quando o procedimento é mais completo. Quanto à recuperação, os fios lisos não requerem afastamento das atividades habituais, apenas 24h sem fazer esforço ou atividade física.

“Já os fios de tração, exigem repouso maior, com afastamento de atividades físicas por cerca de 15 dias para não interferir no processo de tracionamento da pele. Nos primeiros dias, o paciente precisa dormir com o rosto para cima, sem virar de lado porque isso influencia no resultado final. Depois de duas semanas em média, ele vai voltar para a sua vida normal”, finaliza a cirurgiã dentista.