Goiano é o primeiro sul americano amputado a chegar no Monte Everest

Mais conhecido como João Saci, goiano que teve a perna esquerda amputada aos 17 anos e já ganhou mais de 40 medalhas em competições, compartilha sua experiência na viagem realizada neste mês

João Carlos Rodovalho Costa, mais conhecido como João Saci, é o primeiro sul americano amputado a chegar na base do acampamento do Monte Everest. O goiano de 38 anos, chegou de viagem na última segunda-feira (25) e revela a experiência de sua primeira escalada: “Subimos durante sete dias e chegamos até o acampamento base do Monte Everest. Saímos de 2.800m para 5.364m e foi algo incrível. A primeira de muitas outras montanhas que virão”, diz.

 

João Saci foi amputado aos 17 anos em virtude de um câncer no joelho. Segundo ele, foi retirado o tumor para biópsia e deixado uma parte que a equipe médica não conseguiu fazer a remoção. Para sua surpresa, 20 dias após a cirurgia ele foi informado pelo médico que o tumor havia necrosado e não teria como realizar a biópsia: “Fomos em outro médico e então recebemos o diagnóstico, era câncer. Comecei a fazer quimioterapia e percebi que o tumor havia crescido após a ressonância”. João teve que amputar a perna esquerda a apenas dois meses de fazer 18 anos.

 

Ele compartilha que o início foi desafiador a própria aceitação e reabilitação: “Aceitar a amputação é uma coisa, viver o processo é outra”. Sua percepção mudou ao entrar em uma piscina e ver que nadava como antes e  que poderia continuar sua vida e conquistar tudo que desejava.

Nadou durante 14 anos, período em que ganhou mais de 40 medalhas em competições.

Hoje João Saci pratica crossfit, trabalha na área de controladoria de uma empresa, é palestrante e influencer e compartilha sua história de vida nas redes sociais. Além de outras montanhas, tem ainda o desejo de saltar de paraquedas.

 

Ele é um dos 500 mil brasileiros amputados no Brasil, conforme dados estimados pela  Associação Brasileira de Medicina Física e Reabilitação (ABMFR). A campanha Abril Laranja vem sendo realizada durante todo o mês para conscientizar as pessoas sobre a prevenção da amputação e também quebrar preconceitos relacionados às pessoas amputadas. O Abril Laranja é promovido pela Associação Brasileira de Ortopedia Técnica (ABOTEC), a terceira edição da campanha conta com diversas ações, como lives semanais e doações de próteses feitas pelas clínicas e empresas ortopédicas participantes.

Sobre a ABOTEC

A Associação Brasileira de Ortopedia Técnica (ABOTEC) é uma entidade sem fins lucrativos, que tem como principal objetivo o desenvolvimento técnico – científico da ortopedia técnica do Brasil.

Fundada desde 1988, vem consolidando ao longo de sua trajetória  sua posição de entidade representativa, fiscalizadora e regulamentadora da área de ortopedia técnica.

Através do aprimoramento profissional, técnico e humanístico e da disseminação do conhecimento de novas técnicas, materiais e dos últimos avanços tecnológicos, a ABOTEC busca a cada dia uma maior representatividade junto ao governo e a sociedade, sempre sob a visão de uma atitude ética e engajada em prol do melhor atendimento das pessoas portadoras de deficiência.

Sua estrutura, baseada nos moldes das demais entidades internacionais (Ispo, Interbor, etc), compõe-se de empresas e de profissionais da área que, juntos, buscam a excelência na integração de uma equipe multidisciplinar na reabilitação física. A ABOTEC acredita que o segredo desse sucesso está na seriedade daqueles que se dedicam à sua causa e também a participação.