Outono/Inverno de temperaturas variáveis, descubra a funcionalidade do efeito cebola

A praticidade de tirar camadas excedentes ao longo do dia e se adequar ao clima para se manter sempre aquecido

O inverno só começa nesta terça-feira, 21 de junho, no entanto, as blusas de manga comprida e casacos já saíram do armário com a chegada de frentes frias que derrubaram as temperaturas no Brasil. Em Goiás, por exemplo, algumas cidades chegaram a registrar temperaturas próximas a 0°, um recorde para a região que é acostumada com sol e calor na maior parte do tempo.

Muita gente se assustou com o frio e se viu diante de um dilema: a falta de roupas adequadas às baixas temperaturas. No entanto, um fator é bastante observado em várias regiões do país, a amplitude térmica. Isso significa que o dia começa gelado, mas vai esquentando, o sol aparece e depois sofre uma queda na temperatura novamente. E é exatamente aí que entra o efeito cebola. Você sabe o que é isso?

De acordo com a estilista e sócia-proprietária do Espaço Integrado de Moda, no Shopping Estação Goiânia, Maristela Barbosa, o efeito cebola é a sobreposição de roupas, em camadas, para suportar a amplitude térmica e se adequar ao clima variável.

“Diante disso você não sabe o que fazer. Sai com muita roupa, tira aquele guarda-roupa que foi junto contigo, e no final do expediente precisa novamente por aquela pequena quantidade de roupas. E mais, aos que curtem seguir as tendências da moda, pode se tornar um pouco mais difícil esse troca-troca de temperatura, mas até então saberão se virar muito bem para que esteja no estilo tanto no frio, quanto no calor”, afirma ela.

Dicas
Para não passar frio em nenhum momento do dia, Maristela Barbosa dá algumas dicas, como o uso de roupa térmica ou segunda pele na primeira camada. “Essas são as peças que vão junto ao corpo, por isso precisam ser mais justas e de tecidos mais quentes, normalmente que tenham lã ou microfibra na composição”, diz ela.

De acordo com a explicação da estilista, a segunda e terceira camada devem ser feitas com peças de referência, mas sem muitos detalhes, justamente para permitir a sobreposição. Ela exemplifica com peças de tricot, jeans, malhas grossas, golas altas e lã.

Por fim, para a última camada, Maristela sugere uma peça aberta como jaquetas, cardigans, casacos ou parcas, que conferem estilo e proteção ao look. “Vale um destaque para as cidades onde o vento é muito intenso e deixa a sensação térmica ainda mais fria, as peças ‘windbreaker’, ou seja, que protegem contra o vento, são indispensáveis para uma sensação mais quentinha no corpo”, finaliza.

Neste ano, além das dicas para se proteger do frio, Maristela destaca que as tendências de moda que envolvem todas essas peças estão mais coloridas e descoladas. Segundo ela, as cores fortes estão em alta nos moletons, que saíram de vez para as ruas, nos tecidos mais encorpados como o couro e nas peças felpudas que voltaram com tudo.

Pés quentinhos
Os calçados também são destaque no inverno, já que, além de serem um charme, precisam da funcionalidade de aquecer os pés. As botas são paixão nacional e nessa época, ganham ainda mais realce em cores e looks incríveis.

“As botas são peças que fazem muito estilo. Destaque para as queridinhas fashionistas: bota alpinista, galocha e plataforma que vieram com tudo nesta estação, em diversos solados como o tratorado e nas mais variadas cores, até nas mais alegres e vivas”, ressalta.