Suspeito de matar morador do Morro do Mendanha conhecido por criar dezenas de cães e gatos é preso

Segundo apurado nas investigações, a vítima foi morta em razão de desavença que possuía com as pessoas de Salatiel Marinho, 49 anos, e Joseli Soares, 49 anos

A Polícia Civil de Goiás, por meio da Delegacia Estadual de Investigação de Homicídios (DIH), prendeu nesta quarta-feira (13/04) um suspeito de ser um dos executores do homicídio de José Ananias Ferreira, 62 anos, morto na noite do último domingo (10/4), no morro do Mendanha, em Goiânia. Segundo apurado nas investigações, a vítima foi morta em razão de desavença que possuía com as pessoas de Salatiel Marinho, 49 anos, e Joseli Soares, 49 anos, sendo abordado por seus algozes em via pública, nas imediações do seu imóvel, e morto por golpes de facão.

“O crime foi motivado em razão de desavença entre o idoso e Salatiel por conta de uma ligação que fornecia água para os imóveis da localidade. Em relação a Joseli, verificou-se que a vítima teria permitido que ele construísse um barraco em seu lote e, quando o local começou a ser frequentado por usuários de entorpecentes, José Ananias pediu que Joseli desocupasse o lugar, o que causou revolta nele, sentindo-se lesado por ter prejuízo dos investimentos que havia feito na construção do seu barraco. Desse modo, Joseli e Salatiel se uniram e mataram a vítima'”, afirma a polícia.

A vítima era conhecida em Goiânia por morar embaixo de uma ponte, no Setor Campinas, com mais de 15 cães e gatos. Após ser beneficiado pela Prefeitura, ganhou um terreno no Jardim Petrópolis (morro do Mendanha), local em que construiu sua residência e passou a ajudar outras pessoas na construção de seus imóveis. No momento da retirada do corpo da vítima, os bombeiros tiveram que ser acionados por conta dos cachorros da vítima não permitirem que os policiais se aproximassem do corpo. Salatiel Marinho foi preso no Setor Campinas. Já Joseli Soares segue sendo procurado pela Polícia Civil. Os executores devem responder por homicídio duplamente qualificado.

A divulgação da imagem e identificação do(s) preso(s) foi precedida nos termos da Lei nº 13.869 e Portaria nº 547/2021- PC e Despacho do Delegado de Polícia responsável pela investigação, visando à obtenção de novas provas esclarecedoras do fato.