Tecnologia agiliza atendimento a pacientes de AVC

Aplicativo permite o acompanhamento de casos suspeitos a qualquer hora em emergências no pronto-socorro

Definido como uma alteração súbita do fluxo sanguíneo no cérebro, o Acidente Vascular Cerebral (AVC) é uma das causas mais comuns de morte no mundo. Uma das medidas que pode salvar vidas em caso de AVC e reduzir consideravelmente o risco de sequelas é a agilidade no atendimento. Pensando nisso, a Dasa, a maior rede de saúde integrada do Brasil, traz para os hospitais uma inovação tecnológica que permite o acompanhamento 24 horas e em tempo real por neurologistas em atendimentos de emergência no pronto-socorro. A novidade chegou, recentemente, ao Hospital Brasília Unidade Águas Claras.

Nomeado de Tele Stroke (stroke significa AVC, em inglês), o projeto é um serviço de telemedicina que consegue viabilizar, por meio de um aplicativo e câmera de alta resolução – pelo computador, celular ou tablet -, o atendimento de um neurologista, em uma central, com apoio remoto no atendimento, a qualquer hora. Por solicitação de um médico plantonista treinado, os especialistas conseguem avaliar o paciente, de forma ágil e eficiente, e fornecer subsídios ao médico que está no atendimento de emergência para garantir sempre o melhor tratamento aos pacientes.

Para o superintendente de Tecnologia da Informação da Dasa, Rafael Goulart, o projeto tecnológico viabiliza o cuidado na atenção especializada. “Conseguimos promover esse cuidado que as pessoas precisam, com o auxílio da tecnologia. Criamos essa possibilidade, por meio de um software que permite essa aproximação da Dasa e de especialistas com os pacientes, sempre com a preocupação em oferecer o melhor no acolhimento e na atenção à saúde”, destaca Goulart.

Segundo o médico neurologista Dr. Victor Gadelha, head de inovação médica dos hospitais Dasa, a tecnologia permite, inclusive, que o neurologista receba os exames de imagem, como ressonância e tomografia, em tempo real, que são fundamentais para a tomada de decisão terapêutica. “É mais uma iniciativa da Dasa, fruto de um trabalho integrado do time de tecnologia da informação com o time assistencial em prol do melhor cuidado para os nossos pacientes”, complementa o especialista.

Segundo o médico, o método já é adotado nos Estados Unidos há mais de 10 anos e segue protocolos internacionais. “Estamos levando a inovação para os hospitais Dasa e chegamos agora ao Hospital Brasília Unidade Águas Claras, já com a expertise da implementação em outras unidades no país”, destaca Dr. Gadelha. O médico reforça que o serviço de telemedicina também permite que um único neurologista consiga avaliar mais de um paciente ao mesmo tempo sem comprometer a qualidade do atendimento.

De acordo com a médica Dra Letícia Rebello, head de Neurologia da Dasa, o diagnóstico do AVC é feito por meio dos sinais e sintomas, por isso é muito importante aprender a reconhecê-los e buscar ajuda médica imediatamente caso um deles esteja presente. Entre eles estão: boca torta ao sorrir; perda de força ou sensibilidade em um dos lados do corpo, seja o direito ou o esquerdo; e dificuldade de falar e de entender o que os outros falam.

“O que é importante lembrar é que os sinais do AVC começam de uma hora para a outra, sem aviso prévio. Na ocorrência de qualquer um deles, a pessoa deve ir até um hospital imediatamente. ‘Tempo é cérebro’ é a nossa máxima para essa doença”, conclui a médica.