Veja o momento da prisão do anestesista após estupro de grávida no parto

Ele não demonstrou surpresa ao receber voz de prisão da delegada Bárbara Lomba

O anestesista Giovanni Quintella Bezerra, foi  preso na madrugada desta segunda-feira (11/07), por estupro de vulnerável, cuja pena varia de 8 a 15 anos de reclusão. Ele não demonstrou surpresa ao receber voz de prisão da delegada Bárbara Lomba. Veja abaixo:

“Parecia conformado, não demonstrou muita surpresa”, disse a delegada.

 

O Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj) abriu um processo para expulsar Giovanni. Segundo Clovis Bersot Munhoz, presidente do Cremerj, “as cenas são absurdas”.

Em nota, a Fundação Saúde do Estado do Rio de Janeiro e a Secretaria de Estado de Saúde, a que o Hospital da Mulher de Vilar dos Teles, em São João de Meriti, está subordinado, repudiaram a conduta do médico anestesista.

“Informamos que será aberta uma sindicância interna para tomar as medidas administrativas, além de notificação ao Cremerj. A equipe do Hospital da Mulher Heloneida Studart está prestando todo apoio à vítima e à sua família”, afirmaram.

As funcionárias vinham desconfiando do comportamento do anestesista e estranhavam, por exemplo, a quantidade de sedativo aplicado nas grávidas.

No vídeo do flagrante, a paciente está deitada na maca, inconsciente. Do lado esquerdo do lençol, a equipe cirúrgica do hospital começa a cesariana. Enquanto isso, do lado direito do lençol, a menos de um metro de distância dos colegas, Giovanni abre o zíper da calça, puxa o pênis para fora e o introduz na boca da grávida.

A violência dura 10 minutos. Enquanto abusa da gestante, o anestesista tenta se movimentar pouco para que ninguém na sala perceba. Quando termina, pega um lenço de papel e limpa a vítima para esconder os vestígios do crime.

A defesa do anestesista disse que aguarda acesso à íntegra dos depoimentos para se manifestar. Veja a nota na íntegra: 

“A defesa alega que ainda não obteve acesso na íntegra aos depoimentos e elementos de provas que foram produzidos durante a lavratura do auto de prisão em flagrante. A defesa informa também que após ter acesso a sua integralidade, se manisfestará sobre a acusação realizada em desfavor do anestesista Giovanni Quintella”.

Com informações do G1