ALIMENTAÇÃO: processos de melhoramento do leite tornam alimento ainda mais saudável

Novos estudos e modernas técnicas de processamento e melhoramento têm deixado controvérsias sobre o consumo da bebida cada vez mais no passado

Apesar de uma das mais populares fontes de proteína, sais minerais e cálcio, o leite e seus derivados ainda são alvos de algumas discussões sobre o seu consumo e impacto na saúde humana. Mas novos estudos têm deixado essas controvérsias cada vez mais no passado.

Uma das mais recentes pesquisas sobre o tema é do The George Institute for Global Health (Instituto George para Saúde Global, em tradução livre), realizada na Austrália, que apontou que consumir uma boa quantidade de gordura láctea está associado a um risco menor de doenças cardiovasculares em comparação com quem ingere pouco dela. No levantamento, os pesquisadores combinaram os resultados coletados com 4.150 suecos, além dos dados de 43 mil pessoas que participaram de 17 pesquisas semelhantes nos EUA, Dinamarca e Reino Unido.

Por ser um alimento de origem animal, o leite é alvo de rigorosos controles sanitários no Brasil e em várias partes do mundo. O alimento está entre os que mais evoluíram na vasta cadeia de produtos da indústria alimentícia, possibilitando um consumo seguro e em larga escala. “O leite faz parte, sim, deste enorme salto de evolução nos processos de industrialização dos alimentos. Hoje, o popular leite de caixinha, em seu processamento, passa por um tratamento térmico extremamente seguro, que garante as mesmas características sensoriais (aparência, textura, sabor e cor), nutricionais e com uma durabilidade de meses graças às modernas embalagens cartonadas que são usadas hoje. E o melhor, tudo isso é feito sem a adição de nenhum conservante ou aditivo químico”, explica a engenheira de alimentos e gestora de qualidade da Marajoara Laticínios,  Annyelle Galvão.

Leites enriquecidos


Mais do que possibilitar a produção segura e em larga escala, os modernos processos de melhoramento do leite e seus derivados têm feito com que esses alimentos sejam ainda mais saudáveis, inclusive para uma enorme parcela da população que há alguns poucos anos ainda sofria com restrições pelo consumo de lactose.

“Não fossem os avanços tecnológicos, alinhados aos estudos e às pesquisas, não seria possível a quem possui algum tipo de restrição alimentar, como nos casos de alergia ou intolerância à lactose, consumir o leite e uma infinidades de alimentos que têm ele como ingrediente em sua composição”, destaca a engenheira de alimento.

Os leites enriquecidos com cálcio, ferro e outros tipos de vitaminas, que começam a cair no gosto do público, segundo Annyelle Galvão, são outro avanço importante da indústria láctea, para oferecer um alimento ainda mais saudável para a população. Conforme a especialista, sem sofrer alterações de sabor ou qualidade, os leites conhecidos como vitaminados, fortificados ou enriquecidos são um forte aliado à nutrição saudável e ideal para pessoas que têm deficiências de nutrientes. “Alimentos enriquecidos são aqueles em que são adicionados nutrientes com a finalidade de reforçar seu valor nutricional. Eles são largamente utilizados para corrigir deficiências de vitaminas e minerais do organismo, quando estes não atingem os níveis recomendados no organismo”, esclarece a engenheira de alimentos.